Resumo:
A resistência à penicilina por Streptococcus pneumoniae é um problema mundial mais recentemente descrito no Brasil. Em Salvador – BA não existem dados sobre resistência à penicilina nas infecções pneumocócicas. Este trabalho tem como objetivo determinar a prevalência de resistência à penicilina em casos de meningite pneumocócica e caracterizá-la através de estudos epidemiológicos e de tipagens moleculares. A população do estudo foi formada por pacientes, do Hospital Couto Maia, que tiveram cultura de líquor positiva para S. pneumoniae. As amostras foram submetidas a testes de susceptibilidade a antimicrobianos, sendo definidas como sensíveis à penicilina quando a concentração inibitória mínima (CIM) foi < 0,12 g/ml, nível intermediário de resistência ou não susceptível CIM entre 0,12 – 1,0 g/ml , e alto nível de resistência para CIM >2,0 g/ml. Foram realizadas ainda caracterização fenotípica por sorotipagem e caracterização genotípica por Reação de Polimerase em Cadeia – PCR BOX A fingerprinting eletroforese de campo pulsado. Durante o período de 12/95 a 10/97 foram incluídos neste estudo 150 pacientes com meningite pneumocócica, uma incidência anual de 1,6 casos por 100.000 habitantes em Salvador. A meningite pneumocócica ocorreu em todas as faixas etárias, embora tenha sido mais freqüente em crianças menores de dois anos de idade com 42% dos casos. A prevalência amostras causadoras de meningite pneumocócica não-susceptível à penicilina foi de 16,1% (24/149). Todas as amostras foram sensíveis a cefotaxima. Os casos de meningite com amostras não-susceptíveis à penicilina foram causados por sorogrupos presentes na vacina pneumocócica 23-valent: 6(6), 14(14), 19(2), 23(2). A genotipagem destas amostras demonstrou 95 padrões genéticos dentre as 149 amostras analisadas, sendo 14 idênticos e 81 não idênticos. A técnica de eletroforese de campo pulsado foi aplicada para as amostras de sorotipo 14. Este método permitiu identificar seis diferentes padrões, sendo um padrão para as amostras não-susceptíveis (14), e cinco padrões para as amostras susceptíveis (6) à penicilina. A resistência à penicilina em Salvador está relacionada à presença de quatro padrões genéticos de S. pneumoniae na comunidade, sendo dois padrões do sorotipo 14 , um do sorotipo 6B e um do sorotipo 23F. A predominância de clones nos casos de meningite pneumocócica em Salvador – BA sugere que eventos de mutação de ponto e conseqüente seleção natural são os prováveis mecanismos envolvidos na emergência de resistência à penicilina em nossa comunidade. Embora estejam incluídos na vacina 23-valent os principais sorogrupos responsáveis pelos casos de meningite detectados em Salvador, esta vacina não representa uma medida de prevenção adequada devido a sua ineficácia na faixa etária menor que 2 anos de idade. Outras alternativas como a vacinação pré-natal ou o uso de vacinas conjugadas a proteínas devem ser melhor analisadas para prevenção de meningite pneumocócica em nossa população.

Palavras-chave: Streptococcus pneumoniae; Resistência à penicilina; Meningite pneumocócica; Bahia

Orientador: Mitermayer Galvão dos Reis

Financiador: 

Disponível em: http://www.bahia.fiocruz.br/igmdisc/?id=yf5RIUHe02Islam

Defesa: 06/08/1998

Banca examinadora:
Lúcia Martins Teixeira
Edson Duarte Moreira
Mitermayer Reis

EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR DE STREPTOCOCCUS PNEUMONIAE RESISTENTE À PENICILINA EM SALVADOR – BA